Viver ao lado do mar, ou, pelo menos, ter um canto para chamar de seu com vista para o oceano, é o sonho de muita gente. Que atire a primeira pedra quem nunca namorou as casas à venda em Caiobá! Entretanto, por mais tranquila que pareça, a vida no litoral exige cuidados, assim como no interior.

No caso de cidades à beira do mar, o que mais dá trabalho é o cuidado com a casa. Isso porque aquele cheiro de mar, muito característico destes locais, é muito mais do que parece: a tal da maresia pode se transformar em um problema se não forem tomados cuidados para evitar seus efeitos.

O que é a maresia?

Graças à brisa que sopra do oceano em direção ao continente, gotículas microscópicas de água do mar são parte do ar de cidades litorâneas. É a maresia, a grande responsável pelo “cheiro de mar” que sentimos mesmo sem estar na areia da praia.

Por mais que muita gente aprecie esse odor, ele representa um perigo. As gotículas de água carregam cloritos e sulfatos, compostos presentes naturalmente no mar. Essas substâncias químicas interagem com uma série de materiais, o que é potencialmente danoso. As consequências podem ser pequenas, como janelas que custam muito para abrir, ou mais graves, como um imóvel com a estrutura totalmente comprometida.

No caso de cidades litorâneas maiores e movimentadas, com maior fluxo de veículos, os elementos poluentes do ar se unem à maresia e ela se torna ainda mais danosa. Grosso modo, é como se alguém borrifasse um spray cheio de substâncias danosas sobre imóveis e demais objetos por horas.

Por exemplo: quem visita apartamentos à venda em Caiobá nota que pode ser difícil abrir as janelas. A culpa é da corrosão gerada pelo ar marinho!

Infelizmente, não há nada que você ou ninguém possa fazer para evitar totalmente a maresia. A boa notícia é que há uma série de medidas que os proprietários podem tomar para minimizar seus efeitos e evitar danos:

  1. Escolha materiais resistentes à maresia

O principal problema da maresia é o sal, que acelera o enferrujamento do aço. Esses dois elementos definitivamente não se dão bem! Por esta razão, esse metal encabeça a lista dos materiais a ser evitados na reforma ou construção de um imóvel litorâneo.

Para evitar dor de cabeça, é melhor dar preferência àquelas cujas esquadrias são feitas em materiais resistentes à maresia, como a alumínio. Também é possível encontrar imóveis mais modernos, cujas esquadrias são feitas de PVC. Como esse material é um plástico, a maresia não é um problema.

Por mais que as esquadrias costumem ser a maior preocupação, também é importante considerar a resistência à maresia na hora de escolher o piso de sua casa ou apartamento.

Arquitetos indicam a instalação de modelos em porcelanato, justamente por seus componentes não interagirem com a maresia – ao contrário da madeira, por exemplo. Entre todos os tipos disponíveis, o gloss é o mais indicado. É uma questão estética: ele é recoberto por uma substância que evita manchas e arranhões, que acaba disfarçando os efeitos das gotículas de água salgada. Aqueles de padrões manchados são uma ajuda extra nisso.

Quer a prova disso? Se você fizer uma busca rápida por apartamentos para alugar em Caiobá, vai notar que todos têm este piso. Não há nada melhor para o chão de um imóvel na praia.

Ainda que menos popular, especialistas também apontam o tecnocimento também como uma boa opção. Trata-se de um cimento especial, que não tem juntas. Tem uma aparência similar à do cimento queimado e está disponível em vários acabamentos.

  1. Cuidado ao escolher os móveis

A importância de escolher materiais resistentes à maresia não se aplica apenas a materiais de construção: também é importante tê-la em mente ao mobiliar a sua casa.

Evitar objetos de ferro continua sendo importante. Caso você queira tê-los mesmo assim,

fique ciente de que é impossível neutralizar o efeito da maresia sobre eles.

Portanto, o ideal é que, anualmente, eles sejam enviados a um profissional ou empresa especializados para que sejam limpos e recebam uma camada de uma tinta especial, com efeito antioxidante. Também vale a pena recobri-los com tecidos sintéticos, como o poliéster, que não interagem com os elementos danosos das gotículas de água.

Do mesmo modo, fique atento à escolha dos utensílios de cozinha: aqueles feitos de aço inox ou de polímeros plásticos – ambos resistentes à maresia – são a melhor opção.

  1. Proteja a estrutura do imóvel com uma tinta adequada

Apesar de parecer extremamente sólido, o concreto é um material poroso. No litoral, isso pode ser um problema: as gotículas de água da maresia penetram em seus poros.

Por esta razão, com o tempo, elas chegam às esquadrias. Se elas forem feitas de ferro, enferrujarão e aumentarão de tamanho, causando rachaduras nas paredes. Em casos mais graves, a estrutura da casa como um todo pode ficar comprometida.

Felizmente, esse processo de degradação pode ser evitado com a aplicação de tintas que evitem a penetração das gotículas de água. As envernizadas, que oferecem mais resistência à penetração das gotículas, são as mais indicadas.

Vale ressaltar que a parte externa da casa exige uma manutenção mais frequente da pintura, já que ela fica mais exposta aos efeitos da maresia. Nesse caso, as tintas emborrachadas e elásticas, desenvolvidas especialmente para paredes expostas ao tempo, são as mais indicadas. Elas podem durar até duas vezes mais que a tinta acrílica.

  1. Tome um cuidado especial com os eletrodomésticos

Os efeitos da maresia também podem ser evitados por meio de uma rotina de limpeza adequada: há produtos que diminuem seus efeitos.

Geralmente, a indicação é que seja usado um pano úmido e com sabão neutro. Por mais que isso ajude a preservar objetos – principalmente eletrodomésticos -, lembre-se de que não é possível anular totalmente os efeitos da maresia.

No caso destes aparatos, também é recomendável aplicar uma camada de vaselina sobre o seu exterior periodicamente. Essa medida, junto com o uso de um pedaço de pano para cobri-lo, ajuda a manter seu acabamento preservado.

Caso ele pareça degradado, mas seu motor ainda funcione sem problemas, não é preciso se desfazer do item e comprar um novo: basta enviá-lo a um profissional ou empresa especializada para que ele revitalize a parte externa e deixe o objeto com cara de novo. É uma economia de dinheiro considerável! 

Comentários

commentários